O fundador do WikiLeaks Julian Assange foi preso nesta quinta (11) na embaixada equatoriana em Londres, no Reino Unido. Como esperado, grupos da Anonymous já começaram a retaliação sobre o caso: o site oficial da embaixada do Equador se encontra offline nesta manhã.

documentos vacados:

Segundo a célula AnonOps, serão realizados ciberataques de outras células pelo mundo sob a hashtag “#FreeAssange” (Assange Livre). No Brasil, grupos Anonymous e outras redes também se mobilizam e já marcaram o evento “Liberdade para Assange”, que vai acontecer na próxima segunda-feira na embaixada dos Estados Unidos, no Rio de Janeiro.

Assange estava asilado no local desde 2012 e foi levado pelo Serviço de Polícia Metropolitana (MPS) para a estação de polícia central da capital britânica, mas será encaminhado para a Corte de Westminster “assim que possível”, informam as autoridades.

A prisão de Assange acontece após o presidente equatoriano Lenín Moreno anunciar o fim do asilo político concedido pelo ex-presidente Rafael Corrêa ao ativista australiano. Segundo o evento “Liberdade para Assange”, o fundador do WikiLeaks pode ser condenado a morte. “O traidor presidente do Equador, Lenín Moreno acaba de entregar Julian Assange para a Polícia da Inglaterra a pedido dos EUA e agora o jornalista e fundador do WikiLeaks pode ser condenado a morte pelo vazamento de diversos documento sigilosos do governo dos EUA e de outros países, que revelam a política de espionagem, boicote e sabotagem contra as economias dos países em desenvolvimento”, afirmam os organizadores.