Como uma rede de dispositivos infectados desestabilizou toda a internet

A essa altura, você provavelmente está ciente de um mega-ataque que afetou as estruturas da internet. Um hacker, ou grupo hacker, organizou um DDoS (o famoso ataque de negação de serviço) contra a provedora de DNS Dyn, uma das maiores do mundo, o que afetou diretamente várias empresas que dependiam de alguma forma de seus serviços, como Twitter, Netflix, Spotify e vários outros sites e plataformas digitais.
O ataque foi direcionado aos Estados Unidos e Europa, que sofreram mais com os danos, mas quando grande parte da infraestrutura da internet se concentra nestas regiões, é impossível que o estrago não respingue em outras partes do mundo. Vários usuários brasileiros, incluindo nós do Olhar Digital, tiveram problemas para acessar alguns dos serviços afetados.
Mas como um ataque deste naipe se desenrola? Uma sigla: IoT, a famigerada internet das coisas, que é a ideia de conectar à rede dispositivos que vão muito além de PCs e celulares. Estamos falando de geladeiras conectadas, fogões, semáforos, câmeras de segurança, etc.

O fato é que o ataque parece usar uma botnet Mirai, que aproveita a vulnerabilidade destes dispositivos conectados para usá-los como arma. O software Mirai em questão visa controlar aparelhos inteligentes que não tenham a proteção de login adequada. Ele funciona varrendo a internet atrás destes dispositivos; quando os encontra, ele tenta realizar o login usando nome de usuário e senhas de fábrica ou estáticas. É como, por exemplo, se ele tentasse acessar todos os aparelhos online testando a combinação de nome de usuário “admin” e a senha “admin”, mas de uma forma mais inteligente.
O problema é que isso funciona em boa parte dos casos, porque nem as empresas nem os usuários tomam o cuidado suficiente com a segurança do que utilizam dentro de casa. E, quando uma combinação funciona, o software passa a ter o controle deste dispositivo conectado. Assim, na hora de orquestrar um ataque massivo como o desta sexta-feira, basta que esta rede de aparelhos “sequestrados” recebam um comando para atacar. O dono daquela câmera conectada muitas vezes nem fica sabendo o que está acontecendo.
A técnica é extremamente eficaz para um ataque DDoS, que funciona sobrecarregando serviços online. Na prática, o ataque funciona sobrecarregando os servidores com um número colossal de requisições simultâneas, fazendo com que o serviço saia do ar ou apresente instabilidade, como se milhões de computadores estivessem acessando uma página ao mesmo tempo. Neste caso, são milhões de dispositivos controlados remotamente por alguém que direcionou seus esforços contra a provedora de DNS Dyn, que acabou derrubando outros serviços online como um castelo de cartas quando alguém remove sua sustentação.
Como nota o jornalista especializado em segurança digital Brian Krebs, o software Mirai tem seu código aberto na internet, o que significa que qualquer um pode aproveitar seus recursos sem qualquer custo envolvido. Uma pessoa, identificada pelo nome de usuário “Anna-senpai” publicou o código no site Hackerforums. “Já fiz meu dinheiro, há muitos olhos olhando para o IoT agora, então é hora de cair fora”, dizia a pessoa.
Krebs indica que a ação de divulgar o código pode ter o objetivo de despiste. Não é incomum que cibercriminosos usem este recurso quando percebem que as autoridades e as empresas de segurança estão se aproximando. Com mais pessoas usando a técnica de ataque, fica muito mais difícil chegar a um único culpado.
Se gostou comente, meu pagamento é seu comentário, valorize o site agradeça.
O estímulo é meu , a reação é sua, o Site é nosso.
Share on Google Plus

About Canal TheEvolutionTecH

Quem Sou? Apenas mais um fã da grande rede , um maluco pela internet que passa grande parte do tempo conectado sempre a procura de novidades online , e sempre achando já que a rede é movida por novidades. ""
    Blogger Comment

0 comentários:

Postar um comentário